Pular para o conteúdo principal

Conversas recreativas e inquebrantáveis - Messias

Sabe quando a você acorda no meio da noite com uma vontade de assaltar a geladeira? O Messias não sabe, pois é dono de um sono pesado e reparador. Como assíduo frequentador do Clube de Desporto Amaral Veiga Albuquerque (o qual já teve o privilégio de presidir em mais de uma ocasião, duas desastrosas e uma não) sempre praticou esportes de alto impacto sob visível demonstração de entusiasmo. Mal compreendido, assombroso, egocêntrico, nasal, estapafúrdio, campeão inter-bairros de chá-chá-chá, Messias vai compartilhar aqui um pouco do que sua modéstia memória permitir.

Primeiramente, quero parabenizá-lo pela obra magnífica que o senhor doou para a prefeitura. Uma atitude para fazer qualquer marmanjo umedecer os olhos.
Eu não doei nada para a prefeitura. E o que umedece os olhos é colírio, só isso. Um abraço para a minha oculista.

OK, mas o senhor afinal participou ou não da solenidade na última sexta-feira?
Veja bem, desde a infância eu me recordo de um passeio, na estrada, com meus avós. É nítido. Um rapaz se aproximou da gente e começou a contar que a família era toda doente, passava fome no interior e que ele precisava comprar medicamentos, etc. O cara estava até bem vestido, sabe? Mas, meu avô, se achando Deus, dispensou-o bravamente sem nada lhe dar, além de um safanão.

Defina "se achando Deus". Desculpe-me pela ignorância, mas é bem interessante refletir sobre isso.
Autoritário, bonzão... A gente é uma espécie de "Lego" dele. Entendeu?

"Lego dele"? Messias, o senhor está afirmando que Deus existe e passa o tempo montando Lego?
Eu existo, assim como meus pais, embora velhinhos. Meus avós já existiram... O Lego serve de analogia. Poderia usar outro exemplo qualquer. Sei lá... Você assistia o Ultraseven? 

Preferia o Spectreman. Mas voltando o assunto e seguindo a sua linha familiar de raciocínio, se Deus existe, logo os pais dele são?
Ateus.

Ateus?
Sim, ateus.

Faz sentido. E os avós?
Aí você já está de brincadeira comigo!

Estou sim (risos). Por que só o senhor pode brincar aqui? Por que o preconceito com velhinhos?

(Nesse momento Messias levantou, interrompendo a entrevista, caminhou até a porta de saída do estúdio, onde tocou a campainha solicitando a abertura. Após a identificação, a porta abriu e ele sumiu, deixando seu casaco e uma garrafa térmica).

Comentários

sempre quis compartilhar com o papricantis um texto de minha autoria, apesar dos pesares e de uma tendinite crônica quue contraí numa visita a São José das Letras em 1984. Aí está o modesto texto:

A apliacação de termos do dialeto ameríndio na sociedade atual, mas sem levar em consideração a importância desses dermos para as sociedades apaches latino americanas ainda não descobertas pela antropologia ou pelo google:

Um dos questionamentos menos importantes na sociedade atual é o sentido preciso e a importância sintática do termo indígena “curumim”. Premissa quiçá sabida pela população tupiniquim, remanescente nos mieos sociais dos dias de hoje, é que “curumin” assim como “uturú-quimoraê” e “quim-quim-tum-tum” não possuem nenhuma relação com a palavra “kankuna”, que naverdade tem origem andina e trás pro contexto da discussão não mais que a possibilidade de generalizar a cultura indígena-apache-kétchua como sendo essencialmente ameríndia e não apenas latino americana. A aplicação dos termos indígenas-apache-kétchua, ou ameríndios, aparecem com sentido reverso ao proposto pelos pajés e lideres tribais dos séculos anteriores ao XV na amazônia, até então não brasileira, e nos desertos andinos e texanos, que até então não eram texanos ou andinos. Para melhor compreender o assunto colocamos aqui algum exemplo da contextualização dos termos ameríndios já citados:

Curumim das dores do parto com panos quentes, atentando para poucos movimentos pélvicos. Urutú-quemoraê trás os panos, os esquenta e aplica em minha pélves. Após isso sempre rola um quim-quim-tum-tum, mas sempre atentantado para que não haja muitos movimentos pélvicos, se não, no final, é melhor que hajam mais panos quentes.”

Postagens mais visitadas na semana passada

Citações Históricas e grandes dicas

O Fantástico livro de receitas culinárias inteligentes e práticas do novo milênio, inspirado nos antigos e perdidos (hoje achados) manuscritos escandinavos.
(El libro práctico de la prescripción de los culinárias del milênio nuevo. Inhalado en los manuscritos escandinavos perdidos, hoy hallados)
PASTAS ESPECIAIS(CARPETAS ESPECIALES)
À Tomarnne Carmatte(A las salsas diversas) Pimentão verde, tomate, cebola e cheiro verde. Yoi Lámen sabor carne e Yoi Lámen sabor tomate. Azeite de oliva, molho de soja, orégano e Ketchup.
Picada del carnne à Tomarnne Carmatte(Carne perforada a las salsas diversas) Carne moída, pimentão verde, tomate, cebola e cheiro verde. Yoi Lámen sabor carne e Yoi Lámen sabor tomate. Azeite de oliva, molho de soja, orégano e Ketchup.
Dal pollo à Tomarnne Carmatte(Huevos a las salsas diversas) Pimentão verde, tomate, cebola e cheiro verde. Yoi Lámen sabor carne e Yoi Lámen sabor tomate. Azeite de oliva, molho de soja, orégano e Ketchup. Farinha da Bahia, ovos mexidos.

Três Textículos

“O quadrado do período de translação de um planeta é diretamente proporcional ao cubo do semieixo maior de sua órbita”.
(Terceira lei do movimento planetário definida por Johannes Kepler no ínicio do século XVII)

“Há conhecimentos conhecidos. São coisas que sabemos que sabemos Há desconhecimentos conhecidos. Ou seja, coisas que sabemos que não sabemos. Mas também há desconhecimentos desconhecidos. São as coisas que não sabemos que não sabemos”.
(Donald Rumsfeld)

“Mesmo os animais próximos da classe das plantas parecem ter os movimentos mais inquietos. A larva de verão (das larvas e charcos) faz um longo movimento sinuoso; o górdio raramente fica imóvel. Quem quiser ver um movimento muito anômalo, poderá observá-lo nos espiralados e enfadonhos meneios da larva do mosquito”.
  (Sir Thomas Browne)

Glossomoment Papricantis - Antologia da destruição

Somente nos tempos de hoje podemos discernir o que é fato e mito dentro da história. Figura máxima dentro de uma sociedade, Hamilton P. F. Jay Smith foi líder de uma comunidade de fiéis e infiéis religiosos do arquipélago das Bermudas. Ainda fedelho, deixou o pequeno condado britânico (onde nasceu e concluiu o ensino fundamental) para viajar durante quatorze dias e doze noites lunares, descamisado, trajando apenas uma bermuda, até uma das ilhas que levam o mesmo nome de sua surrada vestimenta. Já adulto, conheceu a dupla de pesquisadores que mais se destacou no cenário científico setentrional, os carboníferos pós-doutores Devoniano e Siluriano. Não demorou muito para fundarem um grupo de estudos de proporções megalômanas junto à população bermudense, embora os ataques dos religiosos de menor porte continuassem a incomodar. Como aliados, os herdeiros da tradicional e respeitosa família Silversting lançaram um manifesto sobre uma suposta criatura humanoide escondida nas montanhas rochos…

Três Textículos

“Triste daquele que pensa que ri como uma hiena... Hienas não riem, elas uivam, assim como os lobos guarás de raça pura.”
 (Autor desconhecido por mim, porém conhecido por alguém que o conhece, de fato, embora ele mesmo possivelmente não se conheça, ou sim). 
“Todo o paroxismo narcísico daquela época era absolutamente desnecessário, funcionalmente extrínseco e demasiadamente desapropriado.”
 (Professor Espíndola, dissidente, livre pensador, líder da resistência contra a autoridade arbitraria e a opinião da massa inconsciente, sobre o polêmico debate entre Funambulistas e sonambulistas, ocorrido em Daca, Bangladesh, na última década). 
“Clamar por muito, conseguir nada, tendo muito, é o mesmo que clamar por nada, conseguir muito, não tendo nada”.
 (Provérbio Andino)

Homenagens Póstumas de Brás Cubas Libres - Co-equidade

Amaurípede, sagaz corvo-marinho, que apesar da perspicácia, vivia apreensivo com a dificuldade de encontrar alimentos. Estava ficando fraco e desmotivado com suas tentativas frustradas de caça. Nem parecia mais aquela bela ave marinha que esbanjava, com excessiva cautela, seus desejos quase que sanguinários quando avistava suas presas. Oh, tempo bom! Sua única e fiel companhia após o terrível perecimento de Sebastian (o último pombo-passageiro, extinto desde 1914, na América do Norte) era Lina Ferina, uma astuta andorinha-do-mar. Porém, pouco se viam... Nenhum gracejo... Nada se sabe.
Severiano, um calejado e febril agricultor de melancias, mamões e melões bronze-do-sul, havia voltado de uma exaustiva agro viagem, foi visitar a mãe, Augustinha, mas não foi com a cara do seu novo namorado. O pequeno japonês franzino tinha um bigode tão longo e fino que mais lembrava um par de cadarços de chuteiras Action Soccer. Passou pouco tempo por lá e logo após a benção voltou para a labuta diária…

Glossomoment Papricantis - A Extinção Natural da Natureza Extinta

- O que queres, ó pequeno urso panda asiático? – Perguntou o Sábio. - Me chamo Persinoldo... - Seja breve, ser de alma transparente e bafo semelhante ao de um elefante pigmeu mediterrâneo. - Mestre, qual o caminho para a plenitude humana? - Siga o caminho do seu coração desviando dos buracos da vida, jovem gambá asteca. - Mas se eu vier a cair em algum deles, ó magnânimo? - Não passarás de um desastrado filhote de guaxinim selvagem... - O que sugeres então, ó grandioso? - És surdo? - Perdi parte da audição esquerda por causa do beribéri... - Mude-se para uma cidade de relevos acentuados, baixa altitude e clima oceânico temperado, como páprica e manjericão. – Interrompeu o Sábio. - Ilhas Faroé, no território dinamarquês? - Busque uma vegetação lacustre e clima subtropical úmido não mediterrânico... - Arquipélago de Sual Bard, na Noruega! – Gritou o aprendiz. - Jamais! – Gritou o Sábio. - Ai meu Deus, o que? - Vagueie em vão por vaga em vagões vagos...