Pular para o conteúdo principal

Conversas recreativas e inquebrantáveis - Messias

Sabe quando a você acorda no meio da noite com uma vontade de assaltar a geladeira? O Messias não sabe, pois é dono de um sono pesado e reparador. Como assíduo frequentador do Clube de Desporto Amaral Veiga Albuquerque (o qual já teve o privilégio de presidir em mais de uma ocasião, duas desastrosas e uma não) sempre praticou esportes de alto impacto sob visível demonstração de entusiasmo. Mal compreendido, assombroso, egocêntrico, nasal, estapafúrdio, campeão inter-bairros de chá-chá-chá, Messias vai compartilhar aqui um pouco do que sua modéstia memória permitir.

Primeiramente, quero parabenizá-lo pela obra magnífica que o senhor doou para a prefeitura. Uma atitude para fazer qualquer marmanjo umedecer os olhos.
Eu não doei nada para a prefeitura. E o que umedece os olhos é colírio, só isso. Um abraço para a minha oculista.

OK, mas o senhor afinal participou ou não da solenidade na última sexta-feira?
Veja bem, desde a infância eu me recordo de um passeio, na estrada, com meus avós. É nítido. Um rapaz se aproximou da gente e começou a contar que a família era toda doente, passava fome no interior e que ele precisava comprar medicamentos, etc. O cara estava até bem vestido, sabe? Mas, meu avô, se achando Deus, dispensou-o bravamente sem nada lhe dar, além de um safanão.

Defina "se achando Deus". Desculpe-me pela ignorância, mas é bem interessante refletir sobre isso.
Autoritário, bonzão... A gente é uma espécie de "Lego" dele. Entendeu?

"Lego dele"? Messias, o senhor está afirmando que Deus existe e passa o tempo montando Lego?
Eu existo, assim como meus pais, embora velhinhos. Meus avós já existiram... O Lego serve de analogia. Poderia usar outro exemplo qualquer. Sei lá... Você assistia o Ultraseven? 

Preferia o Spectreman. Mas voltando o assunto e seguindo a sua linha familiar de raciocínio, se Deus existe, logo os pais dele são?
Ateus.

Ateus?
Sim, ateus.

Faz sentido. E os avós?
Aí você já está de brincadeira comigo!

Estou sim (risos). Por que só o senhor pode brincar aqui? Por que o preconceito com velhinhos?

(Nesse momento Messias levantou, interrompendo a entrevista, caminhou até a porta de saída do estúdio, onde tocou a campainha solicitando a abertura. Após a identificação, a porta abriu e ele sumiu, deixando seu casaco e uma garrafa térmica).

Comentários

sempre quis compartilhar com o papricantis um texto de minha autoria, apesar dos pesares e de uma tendinite crônica quue contraí numa visita a São José das Letras em 1984. Aí está o modesto texto:

A apliacação de termos do dialeto ameríndio na sociedade atual, mas sem levar em consideração a importância desses dermos para as sociedades apaches latino americanas ainda não descobertas pela antropologia ou pelo google:

Um dos questionamentos menos importantes na sociedade atual é o sentido preciso e a importância sintática do termo indígena “curumim”. Premissa quiçá sabida pela população tupiniquim, remanescente nos mieos sociais dos dias de hoje, é que “curumin” assim como “uturú-quimoraê” e “quim-quim-tum-tum” não possuem nenhuma relação com a palavra “kankuna”, que naverdade tem origem andina e trás pro contexto da discussão não mais que a possibilidade de generalizar a cultura indígena-apache-kétchua como sendo essencialmente ameríndia e não apenas latino americana. A aplicação dos termos indígenas-apache-kétchua, ou ameríndios, aparecem com sentido reverso ao proposto pelos pajés e lideres tribais dos séculos anteriores ao XV na amazônia, até então não brasileira, e nos desertos andinos e texanos, que até então não eram texanos ou andinos. Para melhor compreender o assunto colocamos aqui algum exemplo da contextualização dos termos ameríndios já citados:

Curumim das dores do parto com panos quentes, atentando para poucos movimentos pélvicos. Urutú-quemoraê trás os panos, os esquenta e aplica em minha pélves. Após isso sempre rola um quim-quim-tum-tum, mas sempre atentantado para que não haja muitos movimentos pélvicos, se não, no final, é melhor que hajam mais panos quentes.”

Postagens mais visitadas deste blog

Dicionário moderno de termos antigos - O uso da Páprica

O uso da páprica na medicina...

Papriloscopia é um exame realizado em seres humanos, cavalos de raça e javalis astecas antepassados. Seu objetivo é analisar a coloração das paredes estomacais desses indivíduos, únicos que absorvem a páprica de forma inteligente. Sendo encontrado é feito uma raspagem e curetagem do material, que segue para laboratórios especializados em fabricação de Ginseng com Páprica Sérvia e raspa de nadadeira de Tubarão Marreta do papo amarelado, com sacudidelas especiais de manjericão e acelga.

Papriapismo - Reação orgânica nos homens, causada pelo uso da páprica em excesso.

Papriocefalite - Quase uma enxaqueca. De longe lembra uma dor de cabeça aguda, mas no frigir dos ovos é uma baita cefaléia crônica de Hamstervault, especialista alemão que descobriu que o uso exarcebado e excomungado de páprica à noite pode vir a desencadear esse processo destrutivo... Tomem cuidado!

Paprianite - Alergia nasal causada pela inalação despretensiosa, descontrolada e ilegal da pápr…

Três Textículos

Sobre a condição humana: "Se o homem fosse imortal, já imaginaram como não seriam suas contas de açougue?"

Sobre a religião: "Não acredito na vida depois da morte, embora sempre traga comigo uma muda de cueca."

Sobre literatura: "A literatura inteira é uma nota ao pé da página de Fausto, mas não sei o que quero dizer com isso."

(Extraído do texto 'Conversações com Helmholz', de Woody Allen).

Aconteceu em Neander Town - Tacanho Sinopse

A vida de Tacanho Sinopse era clichê demais. Ora reservada, ora cheia de mistérios, questões e incertezas. Até que um dia ele se empolgou e foi além... Contou tudo!

O filme começa mostrando o cotidiano do personagem principal, ainda criança, morando com a irmã mais velha, após descobrir que a menos nova não era sua irmã, apesar de exímia enfermeira plantonista, qualidade única dentre nenhuma outra. Na outra etapa vemos que ele cresceu modelando aviões, navios, tratores e teve sérios problemas com o uso da cola durante tais atividades.

Passada a infância veio a juventude e até aí, nenhuma novidade, a não ser a vergonha das marcas de cola nas mãos. Mudou-se (sem a família) para um bairro afastado, porém próximo ao conservatório, onde teve aulas sobre a origem, armazenagem e exportação do palmito. Música não era seu forte.

Formou-se e no discurso explicou a aurora boreal. Deu aula em cursos vespertinos de freqüência contestável e rispidez questionada, mas foi reconhecido como honorário e…