Pular para o conteúdo principal

Três Textículos

Se um homem está contente, sua boca só pode estar cheia de cerveja”.
(Provérbio do Egito antigo)

“É melhor morrer de vodka do que de tédio".
(Maiakovski) 

"Nenhum poema agrada ou dura muito quando escrito por bebedores de água".
(Horácio)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicionário moderno de termos antigos - O uso da Páprica

O uso da páprica na medicina...

Papriloscopia é um exame realizado em seres humanos, cavalos de raça e javalis astecas antepassados. Seu objetivo é analisar a coloração das paredes estomacais desses indivíduos, únicos que absorvem a páprica de forma inteligente. Sendo encontrado é feito uma raspagem e curetagem do material, que segue para laboratórios especializados em fabricação de Ginseng com Páprica Sérvia e raspa de nadadeira de Tubarão Marreta do papo amarelado, com sacudidelas especiais de manjericão e acelga.

Papriapismo - Reação orgânica nos homens, causada pelo uso da páprica em excesso.

Papriocefalite - Quase uma enxaqueca. De longe lembra uma dor de cabeça aguda, mas no frigir dos ovos é uma baita cefaléia crônica de Hamstervault, especialista alemão que descobriu que o uso exarcebado e excomungado de páprica à noite pode vir a desencadear esse processo destrutivo... Tomem cuidado!

Paprianite - Alergia nasal causada pela inalação despretensiosa, descontrolada e ilegal da pápr…

Três Textículos

Sobre a condição humana: "Se o homem fosse imortal, já imaginaram como não seriam suas contas de açougue?"

Sobre a religião: "Não acredito na vida depois da morte, embora sempre traga comigo uma muda de cueca."

Sobre literatura: "A literatura inteira é uma nota ao pé da página de Fausto, mas não sei o que quero dizer com isso."

(Extraído do texto 'Conversações com Helmholz', de Woody Allen).

Aconteceu em Neander Town - Tacanho Sinopse

A vida de Tacanho Sinopse era clichê demais. Ora reservada, ora cheia de mistérios, questões e incertezas. Até que um dia ele se empolgou e foi além... Contou tudo!

O filme começa mostrando o cotidiano do personagem principal, ainda criança, morando com a irmã mais velha, após descobrir que a menos nova não era sua irmã, apesar de exímia enfermeira plantonista, qualidade única dentre nenhuma outra. Na outra etapa vemos que ele cresceu modelando aviões, navios, tratores e teve sérios problemas com o uso da cola durante tais atividades.

Passada a infância veio a juventude e até aí, nenhuma novidade, a não ser a vergonha das marcas de cola nas mãos. Mudou-se (sem a família) para um bairro afastado, porém próximo ao conservatório, onde teve aulas sobre a origem, armazenagem e exportação do palmito. Música não era seu forte.

Formou-se e no discurso explicou a aurora boreal. Deu aula em cursos vespertinos de freqüência contestável e rispidez questionada, mas foi reconhecido como honorário e…